Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Cousas Atléticas da Taça e da Onda Livre

A Rádio Onda Livre já não é aquela coisa feita da carolice de uns quantos "piratas" que subiam a um dos mastodontes ao fundo do Jardim para umas emissões de tal forma amadoras que, por vezes, ia para o ar aquilo que não devia... Nos áureos anos 80, mal nos amanhávamos para entender o sistema de botões e com a forma como se colocava uma chamada exterior no ar. Desses imberbes tempos dos discos de vinil, resta a memória de uma semente que me permite, hoje e à distância, ter acesso às emoções das partidas do "meu" Clube Atlético. A tarde de ontem revelou um período de pós-almoço dominical diferente... A vibração tomou conta de mim à medida que o jogo avançava para o prolongamento. Quando se entrou nesse período, preferi afastar-me e alhear-me de alguma surpresa desagradável. Revivi memórias de alguns históricos encontros no velho pelado... Interrompidas pelo avanço para os fatídicos "penalties". Com o meu "puto" a questionar-me do porquê da isolada festa que fiz logo após o primeiro falhanço dos de Lourosa... Ficou a acompanhar-me até ao derradeiro grito na Onda Livre, após o último erro da equipa forasteira. Bem, apenas se conquistou o direito a estar no "pote" da 2ª Eliminatória de uma competição onde o Clube Atlético não tem grandes tradições. Mas, nunca se sabe se não pode repetir-se a saga de 2006/07 onde só foi parado pelo histórico (e hoje moribundo) Boavista ou a vitória de 1988/89 em casa do Trofense (mais não seja proporcionou uns trocos extra com a seguinte visita do Braga, mesmo que isso tenha implicado a maior derrota em casa em jogos da taça, 0-4). A eliminação do Lusitânia de Lourosa, na actual edição, mais que a elevação do ego pelo feito, frente a uma equipa de divisão superior, pode ser a primeira porta aberta para, não sendo o sorteio padrasto para a próxima eliminatória, permitir alimentar a ilusão de uma nova recepção ao Braga, ao Guimarães, ao Paços de Ferreira ou ao Benfica, clubes da I Liga que já tiveram a honra de visitar o Coração do Nordeste. Desta vez pode o Setúbal retribuir a visita que lhe foi feita há cerca de 30 anos. Ou pode ser o surpreendente Nacional ou, porque não, o Sporting ou o Porto. Dava jeito para rechear os cofres... O que não dava jeito nenhum seria uma repetição do pior resultado macedense nesta prova: Oliveirense 9 - Clube Atlético 1... Longínqua época de 1970/71... Acho que ainda não tinha consciência da minha existência... Nem eu, nem o Morais FC... Que despachou o Olivais e Moscavide e lá estará no sorteio a contribuir para algo que poucos concelhos (especialmente do interior) se podem orgulhar: dois clubes no "pote"! Honra ao Moncorvo que lá estará também e ao Mirandela que não se amedrontou com o "rabo do peixe". A espinha ou, neste caso, os infelizes cinco espinhos, ficaram cravados no vizinho Bragança, facto que impediu o pleno das equipas do Nordeste Transmontano... Taça é Taça e não custa nada acreditar que o sonho comanda a vida...

Sem comentários: