Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



sábado, 30 de janeiro de 2010

Ninguém escreve ao Coronel Porco

Coronel morto, coronel "deporco"... O arraial da matança não terminava pela imposição cruel, mas necessária, de um ferro no pescoço do animal. Tinha seguimento no ritual do desmembrar de um corpo, mesmo que tudo isto se assemelhe a algo macabro. Era assim, é assim, um culminar da lei da sobrevivência, ainda que impressione pela frieza das palavras. E, respeitem-se castradores das tradições ou defensores dos direitos dos animais, o "mata-porco" é um pedaço vivo de transmontanas ancestralidades. Tão ancestrais como retirar a vida a uma alface... Vida que alimenta vida. Difere o processo porque a alface é temperada com sal, azeite e vinagre. A reservada fatia suína para o fumeiro tem outros temperos mais. Resumidos na vinha de alhos para alguns, "adôbo" para os puristas, coisa de somenos para quem não entende patavina do amor dedicado à prévia elaboração de umas raras coisas que aparecem em feiras de fumeiro a preços exorbitantes. Mesmo que aparentem mau aspecto inicial. Mas nem tudo o que tem bom aspecto correspondência tem no inigualável sabor final...
« - Abonda'di o baldu grande! E tchêga-me a bacia d'smalte. Ora probe lá! Tchisq'lo dedo!»
« - Aparece-me-se um cibinho insosso... E ou punha-le mais um tantinho de pimento queimão...»
« - E ó depeis num fica munto picante, or não?»
« - Num s'm'aparece, c'o mou gosta de l'sentir o paladar a tchamar um copito pr'ápagar o fogo.»
Uns dias passados de seleccionadas carnes em banhos, era hora de passar ao manusear das "entchedeiras", um manusear único, sem prévios diplomas para lá do foi "a nha mãe q'mu insinoue". As tripas vão ganhando forma, num arredondado colorido pintado ao sabor das conversas de fazer passar o tempo. Iam surgindo linguíças, o salpicão da língua, os ditos salpicões, as "butcheiras" e os afamados "butélos". E as piadas de ocasião, brejeirices próprias dos distintos formatos que vão adquirindo as obras de arte.
« - Este tem-nu grande! Que mim desimbaraçado debria ser!»
« - Bô, mas quem o'intcheu num le fezu as festas todas...»
« - Bá, bamos lá falar im termos, c'os indezes podim star puri a'oubir à porta...»
Um a um, os exemplares iam enchendo os alguidares, aguardando, pacientemente, a sua vez de entrar na "bara", enquanto se pedia mais um "tóro pra se pôr de strafogueiro". Eram tempos em que os "nob'meses d'imberno" ainda cantavam num desafinado tom equilibrado pelo calor das conversas e pela melancólica protecção de paredes de xisto. Entretanto, haveria de chegar a hora de comer os "ossos da suã" e, num qualquer especial dia, o "cibo" de lombo e as costelas. E que "mim bôs erum"! Acompanhados de umas batatinhas e grelos cozidos "ó lume" no pote.
« - Tchega-te pra lá, c'as tchouriças stão a pingar!»
Depois era tempo das alheiras. A começar pelo ritual de escolher o melhor pão, aquele pão que já só tem existência nas memórias gustativas. Aquele que era amassado ao sabor de um descomunal esforço braçal, levedado sabe-se lá porque artes do benzimento precoce, rezas esquecidas no tempo. Sabia a lenha, a verdadeira lenha alimentada a neve e geadas, seca pelo estio dos três meses de inferno. E era meticulosamente cortado, "nabalhas" afiadas pelo empírico saber de décadas. Descansava nos alguidares, enquanto as mentes se preparavam para madrugar, prontas para a ritualização dos potes aquecidos a lume forte. Coziam-se as carnes, não uma carne qualquer, mas sim as que anónima gente ia deixando, em dias de feira, em forma de gratidão, numa anómala decoração da escadaria de acesso à casa. Coelho e lebre do monte, perú e galinha caseiros, pato e perdiz caçados e, aqui e ali, fruto da exiguidade, um faisão para temperar melhor a calda. Como era reconfortante aspirar aqueles aromas a vida selvagem. As narinas expandiam-se ininterruptamente em busca da melhor recepção daquela orgia aromática. Haveria de se ingerir a sopa das alheiras, um anormal caldo feito de pão regado a inenarráveis sabores. Estômagos recompostos, hora de rechear as tripas, umas compradas no "Snhô'rmando", outras não. Começava-se, invariavelmente, pelos "azedos". Seguia-se aquela mistura desagradável à vista, onde uma pasta com um aspecto a roçar o incómodo ia sendo manuseada pela arte de pares de mãos que se digladiavam numa arena de saboroso lodo de pão e carnes desfiadas. O resultado final haveria de ser compensador. Especialmente pela nova decoração assumida pelo tecto fronteiro à lareira. Quase que religiosamente, um vara de alheiras era reservada para as patuscadas com os amigos do Pai. Uma outra teria como destino o amigo de sempre, o homem que ajudou a retirar-me, artificialmente, do ventre materno, Urze Pires de seu nome. As outras eram para quando apetecesse presentear as papilas gustativas. No meu caso particular, naquelas frias manhãs de Inverno em que aprendi a degustá-las, assadas na brasa, na companhia do calor da lareira e de um café como só a tradição transmontana sabe fazer. E quase me esquecia do ritual da salgadeira. Aquela artesanal arca onde eram espalhados sacos de sal grosso para resguardar os presuntos antes da sua exibição num canto da cozinha. Essa era a única tarefa reservada para o patriarca. Eu olhava, estupefacto, para a forma metódica como ele alinhava aqueles pedaços de carne naquilo que a minha imaginação identificava com um branco e minúsculo lago salgado. Suspeitava que os presuntos e as espáduas estariam a dormir e que, um dia, despertariam de novo, quando fossem encaminhadas para aquele banho feito de uma pasta que incluía pimentão, vinagre e sabe-se lá mais o quê. Haveriam de permanecer, numa espécie de enforcamento, ao calor e ao fumo da lareira. Um dia, estariam prontos para serem lascados e devorados com um naco de pão. E, lá para o Carnaval, haveria de ressuscitar o "butelo", fruto raro numa floresta de "casulas secas"... Um dia, como já pouca gente escreve ao Coronel Porco, houve uns doidos que resolveram reviver o que morto vai estando... "Inda bãe q'inda há alguns tchabascos. É q'um lombinho d'adôbo inda sabe mim bem"...

sábado, 23 de janeiro de 2010

Crónica de uma matança anunciada

“Das carnes, o carneiro; das aves, a perdiz e, sobretudo, a codorniz; mas se o porco voara, não havia carne que lhe chegara.”

Era uma vez… Uma qualquer Sexta-feira, num qualquer mês de Janeiro (ou de Dezembro, dependia das agruras do termómetro). Uma daquelas Sexta-feiras que a memória soube preservar sem precisar o ano. Memórias de uma infância regada a momentos inolvidáveis, merecedores da eternidade das letras. Era o culminar de um ano de “biandas”, de guardar religiosamente as cascas das batatas e outros restos mais, iguarias dos seres porcinos que aguardavam na “loje dus porcos”, na impaciência dos seus inconfundíveis roncos, pela chegada de uma “galdromada” mais. Por detrás do “cancelo”, ficava a apreciar aquele frenesim, assistindo à forma pouco ortodoxa como “imbuligabum” os narizes, peculiar forma de tomada eléctrica, naquele preparado com mau aspecto mas que, afinal, até emitia uns aromas nada desagradáveis. O mesmo já não poderia dizer-se dos restos digestivos dos “laregos”. De vez em quando, era necessário calçar as “galotchas” e pegar numa “bassoura de gestas” e, à “mangueirada”, privar o habitáculo dos dejectos. Sabe-se lá se por sensibilidade em demasia, ganhava amizade aos “recos”. Via-os crescer até estarem “cebados”, ia-lhes dando umas palmadas nos costados e, quando me incomodavam enquanto ajudava a proceder à higiene do seu lar, dava-lhe uns “piparotes” nas orelhas. Só para lhes mostrar quem mandava na pocilga… Depois, chegava a fatídica Sexta-feira. Passava o dia a despedir-me dos bichos, numa incessante romaria que me fazia descer a escadaria das traseiras, num percurso até à “loje”. E, por vezes, dava por mim a “spremer a lágrima” porque pensava que, no dia seguinte, àquela hora, os “roncos” já estariam silenciados, os narizes de tomada ao avesso. Depois, resignava-me, começando a pensar nas alheiras, nos salpicões, nas linguiças, no presunto. Enxugava a face e pensava que “pró an’há mais”… Nessa Sexta-feira, já se sentia a azáfama que, no Sábado, revolucionaria o quotidiano caseiro. A única coisa que contrastava era a calma do meu Pai perante o insistente questionário da Mãe, sempre eléctrica, sempre a anunciar a calamidade de não estar tudo pronto para a degola.
«- Sim… O banco para matar o porco já está lá em baixo… E a escada para o pendurar também… Sim… Já está tudo combinado com o matador» …
E era hora da deita, que era preciso madrugar. O dia acordava como acordavam os dias da época. A saudação matinal era de um frio cortante, com o testemunho branco das baixas temperaturas nocturnas num apelo a um retorno ao quente dos lençóis. Havia a compensação da enorme lareira, acompanhada de potes. Mas era o dia do “mata-porco”… Qual D. Sebastião surgido do nevoeiro, lá vinha o “Sôr Ablino”, munido do seu facalhão, com aquele sorriso maroto de quem se apresta para mais uma tarefa banal. Bem cá no íntimo, desejava que ele não aparecesse. Mas aparecia sempre… E eu voltava a pensar nas "alheirazinhas"… A sua aparição era o sinal de partida para o ritual. Os “homes” atavam uma corda à pata do suíno e arrastavam-no através da adega até ao exterior, enquanto ele se debatia para que o não retirassem do seu mundo. Emitia uns guinchos que me constrangiam a recolher-me a um qualquer local onde pudesse obter um pouco de silêncio. Era difícil, porque aquele som ensurdecedor ecoava pela vizinhança. Deve ter sido o meu trauma de infância… Quando a paz regressava, saía da minha momentânea clausura para assistir ao desenrolar do longo dia que se avizinhava. A começar por aquele rodopiar de um braço, qual fenómeno vampiresco, no interior de um alguidar cheio de sangue do animal, misturado com o indispensável vinagre, para não “tralhar”. Cumpridas as formalidades de confirmação do óbito, através do saber empírico do “Sôr Ablino”, chegava a hora de impregnar o ar com os aromas provindos do chamuscar da pelagem do animal. Inicialmente, ainda se usava a palha. A evolução trouxe o maçarico e a tarefa ficou mais facilitada. Especialmente quando tinham que se arrancar as unhas ao porco. Mais tranquilo, assumia as despesas de ajudar, munido de uma pedra, ou de um pedaço de cortiça, à raspagem da pele queimada e à posterior lavagem. Interminável, parecia-me, até ver aquele ser prostrado em cima de um banco, quase alvo como a geada matinal. E as mãos geladas, tão geladas, que passava por um breve desconhecimento acerca de serem as mesmas uma extensão do meu corpo ou daqueloutro que jazia em exposição pública. Era chegada a hora de uma outra exposição, a das entranhas. Aquela faca de gume afiadíssimo deslizava, cirurgicamente, através do ventre, libertando uma neblina animal, cheiro a morte, ou a podridão, à medida que mais fundo penetrava. As mãos iam-se misturando na gordura, aproveitando o momento para as trazer de volta à vida, tal o gelo que delas se tinha apoderado. Era tudo metódico, bem gizado, tripas para um lado, vísceras para outro. As que não serviam, eram atiradas aos biltres, a “canzaria”, vadios e nobres, que se aglomerava à espera do melhor pedaço. Que, nesse tempo, a anormalidade era não ver cães a vaguear pela rua, donos do seu território, amigos de brincadeira. Todos tínhamos o nosso rafeiro, todos eram rafeiros, de raça ou não. Eram cães… O “Sôr Ablino” era um tipo às direitas. Sem excessos de gordura, um pouco pau de virar tripas, até. Mas era “rijo cmó aço”! Transmontanamente rijo… Até no vocabulário… Especialmente aquele com que brindava os atrevimentos caninos.
«- Starrafoda ó cutcho! Infio-te já o nabalho pur’as goelas!»
«- Ó Sôr Ablino, olhe a linguagem, que estão aqui garotos!»
«- Atão que caralhitchu quer? De piquenino é que se troce o pipino! Bá, num mo diga que num oubim uas caralhadas de bez im quando?»
A indignação, particularmente a com proveniência na religiosidade e bons costumes femininos, não obstava à insistência naquele vocabulário por parte do “Sôr Ablino”. E eu divertia-me, com aquele aparente vulgar linguajar, fruto de alguma genuinidade transmontana. Afinal, quando ia à aldeia, a cada cinco palavras, ouvia seis “starrafoda” e afins… Entretanto, o mulherio aguardava, impacientemente, pela oportunidade de zarpar até ao ribeiro, lá para os lados de Nogueirinha, à saída de Macedo, onde iriam, nas límpidas águas que hoje não são, lavar tripa e tripa virar. Os “homes” ficavam a pendurar o “reco”, a discutir as qualidades do dito.
«- Mim bô bitcho c’aqui botou! Boas biandas debe ter mamado, o reco»”…
Aproveitando o interregno para o respectivo aquecer de goelas com um copito. E os putos, os putos como eu era puto, limitavam-se a ser putos, como um puto deveria ser. Olhavam, atónitos, para o cadáver suíno, sentiam um arrepio na pele e rapidamente regressavam às corridas de carrinhos de rolamentos, ou a qualquer outra brincadeira, que podia incluir uns “biqueiros nas canelas” atrás de uma bola ou um “índios e cobóis” com “uas lapadas nas bentas” de permeio. E a avó, a omnipresente figura da avó, a ancestral tratadora dos “rijões” e dos potes, dos “strafogueiros” e “gabelas de lanha”…
«- Andadi, mou filho, que já bã’im aí as mulheres de labá’as tripas, queitadinhas, tchêas de frio. Laba lá as mãos pra ires prá mesa!» …
E a mesa, nesse dia, tornava-se pequena. Pela quantidade de comensais e por igual quantidade de conversas imperceptíveis para um puto. Conversas cruzadas, travessas e pratos cruzados também, corrupio de gente misturada com os aromas próprios do “mata-porco”, cheiro de “rijões” irmanados com aromas de vísceras assadas na brasa, calor humano incrementado pelo emanado da indescritível fogueira, estridente gritaria.
«- Trai’í maiz’um cibo de batatas!»
«- Abondá’í maiz’um tantinho de binho!»
«- Pintchou-s’o copo do Senhô’rmando. Amanha-l’outro!» …
E “amanhaba-se” o estômago enquanto se combinava o “desfazer do porco” no dia seguinte. Dia seguinte? Amanhã continua a epopeia, que já vai a matança longa…

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Injustiças toponímicas

Ocorrem noites assim... Saudades, talvez... Poderia ter pasmado defronte de um qualquer programa televisivo, mas deu-me para reler algumas cousas sobre a minha essência. Infelizmente, são escassas, demasiadamente escassas. Cuidadosamente, retirei da prateleira a já gasta monografia de quase cinco décadas. Delicio-me a cada investida que faço nas memórias macedenses que nos foram legadas por um dos últimos grandes vultos da terra: Armando Valfredo Pires. Deixo-lhe aqui uma singela homenagem, na companhia do também macedense Adriano Moreira. Enquadrado no seu tempo, foi um Homem, um Transmontano de gema, um puro raça Macedense. Poderia não ter estado à frente dos destinos da Câmara Municipal, não ter sido Governador Civil ou Deputado da Nação. Poderia, até, nem ter exercido advocacia... Ainda assim, ter-nos-ia deixado um pedaço da sua têmpera. Não pela edição em si, mas pelo árduo trabalho que, naquele tempo, teve para recolher e compilar as informações que da mesma constam. Algo semelhante fez pela sua terra adoptiva, Chacim.Um nome que me remete para um dos personagens esquecidos na história macedense: Nuno Martins de Chacim. Os reinados de D. Afonso III e D. Dinis foram marcados por este homem da estirpe dos Bragançãos, por via bastarda, é certo, legítimo representante dos Chacins. A história deixa-nos um relato de usurpações e abusos, mas o que fica registado, de igual forma, é que atingiu os superiores cargos de Mordomo-mor e Meirinho-mor. No caso do segundo, temos na História de Portugal um filho do concelho macedense (inexistente à altura, é certo) que foi elevado a "primeiro polícia do Reino" ou, se quisermos efectuar uma transposição para os tempos modernos, o primeiro Ministro da Administração Interna que este país teve.E o que se faz em Macedo? Que me perdoem Alexandre Herculano, Antero de Quental, Vasco da Gama ou o Infante D. Henrique, que nada tiveram, directamente, a ver com a história macedense e têm lugar na sua toponímia. Ao percorrer, pacientemente, e uma vez mais, o "Macedo de Cavaleiros - rua a rua" de Manuel Cardoso deixei-me perder, de novo, nos estremecimentos que me causa sentir os pedaços de história fotográfica e toponímica da terra que me viu nascer.Se por lá detecto nomenclaturas carregadas de lógica, outras há que mais não são que preenchimento obrigatório. Contudo, não são essas que me provocam estupefacção, mas sim as omissões. A de Nuno Martins de Chacim é apenas uma delas, mas, talvez, não a mais importante. Sem dúvida que só bem recentemente se resgatou a memória de Martim Gonçalves de Macedo. De alguma forma, já lhe foi prestada a homenagem no monumento comemorativo da passagem do Mestre de Avis e do Condestável por terras de Castelãos. Causa-me alguma confusão, confesso, que todas as terras tenham os seus heróis imortalizados por uma qualquer placa toponímica ou por um qualquer exemplar de estatuária.O herói macedense, o verdadeiro herói macedense, o salvador da pátria em Aljubarrota permanece oculto no esquecimento das artérias macedenses. Espero que, um dia, seja feita justiça aos "de Macedo", os Senhores de Macedo de Cavaleiros. Não numa qualquer ruela escondida ou numa nova urbanização que venha a surgir. Já por aqui propus a homenagem merecida. Se o Jardim 1º de Maio já foi de Oliveira Salazar, Público ou da Câmara, porque não sofrer nova alteração e transformar o mais digno espaço macedense numa homenagem ao seu herói?

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Caçar o Turismo

A curta existência das Cousas tem deixado espaço para as manifestações de júbilo pela proliferação de eventos de carácter cultural que vão pontuando o ano macedense. Em algumas ocasiões, exacerbando os mesmos por compreensíveis efeitos da genética... O desfilar do calendário apresta-se para nos brindar com mais um (já) ícone da cultura macedense: a Feira da Caça e do Turismo. Mesmo considerando as variações de nomenclatura, é indesmentível que uma 14ª edição, não sendo idade de monta, é já uma respeitável idade para um evento com estas características. Como em tudo na vida, não há bela sem senão... O primeiro senão provém das contingências da utilização de novas tecnologias. Infantilmente, diverte-me a omissão do "c de cedilha" nos endereços electrónicos. Confesso que, dar de caras com uma "feira da caca", arranca-me irreprimíveis gargalhadas. Cousas, sem reflexo na prática... Idêntico fenómeno já não é gerado por coisas mais sérias. Bastante mais sérias, a meu ver, claro está. Ainda recentemente lia, não me recordo a proveniência, acerca do amargo de boca sentido por turistas apreciadores dos encantos do Azibo, pela ausência de unidades hoteleiras, na verdaderia acepção da palavra, no concelho de Macedo de Cavaleiros. Mencionavam os inconvenientes de terem que se deslocar diariamente para Bragança por não conseguirem instalar-se condignamente em Macedo, ressaltando da entrevista a "anomalia" de terem trocado o mar do Algarve pelo mar de pedras, como destino turístico. Obviamente, reconheciam a existência de oferta de estruturas para turismo rural, mas tocaram na ferida. Uma ferida que passou a sangrar incessantemente a partir do dia em que o sonho de Manuel Pinto de Azevedo viu as suas portas fechadas. Dêem-se todas as voltas mentais e consigam-se todas as eventuais desculpas, o caminho vai dar sempre à mesma incontornabilidade: não temos um Hotel em Macedo! Cousa rara, porque até em qualquer "Vila Nova de Trás da Salada" há um hotel. Um mísero hotel, raios!, um três estrelinhas que seja... É confrangedor consultar a consideravelmente bem elaborada página electrónica da Feira da Caça e Turismo e depararmo-nos com as ofertas de Hotelaria quando acedemos ao apartado "Onde ficar". Confrangedor, repito... Sem menosprezo pelas entidades que da listagem constam. Não deixo, no entanto, de assumir que, caso não tivesse a minha privada hospedaria macedense, jamais incluiria Macedo nos meus possíveis destinos de férias ou de um simples fim-de-semana "vá para fora cá dentro". Por ausência de encantos? Não, porque eles proliferam, de Bornes à Nogueira, do Azibo a Morais. Por ausência de monumentalidade? Não temos os Jerónimos, mas temos Balsemão, a Senhora do Campo, as Igrejas de Vilarinho de Agrochão, Vinhas, Podence, Bornes... Não possuimos nenhum Templo de Diana, mas os Romanos também por cá deixaram as suas marcas para os lados de Lamalonga, Argana, Vila Nova da Rainha, Salselas... Estamos ao lado da Cultura Castreja do Noroeste, mas temos legados únicos como a Fraga dos Corvos, a Terronha de Pinhovelo, o Bovinho, o Cramanchão... O Vale do Côa fica mais para sul, mas temos o Vale do Sabor, a Levada Velha, o Forno da Velha, e o Azibo, com a sua Ilha do Fidalgo e a sua Fraga da Pegada... E, como bem recorda a página electrónica acima mencionada, somos detentores de um mundo que inclui um Museu de Arte Sacra, uma Casa do Careto, uma Sala Museu de Arqueologia, um Museu Rural de Salselas, um Complexo Geológico de Morais, uma Paisagem Protegida do Azibo... Então, porque não incluiria a riqueza natural, histórica, arqueológica, museológica, etnográfica, geológica de Macedo de Cavaleiros nos meus roteiros turísticos? Porque não teria "Onde ficar"...

Voracidades

O retorno à terra-mãe deveria constituir motivo de celebração. Mais não fosse, pelo apetite voraz gerado pela ausência. Nem sempre assim é. A excepção à regra ou a regra da excepção... Macedo é uma terra de encanto, subjectivamente, mais geneticamente, fale a verdade. Mas tem os seus desencantos. Sobrevivem, é certo, para harmonizar os inversos, num género de encantamento do desencanto. Equilíbrios numa balança nem sempre aferida pela metrologia da disposição... Devaneios, direi eu. Ou o holocausto do peso de negras nuvens. É um problema pessoal, mas só gosto de Macedo pintado a branco ou a cor do sol. E, desta vez, estava pintado a tonalidades de cinza carregado, numa tela de monotonia invadida por pincéis de pluviosidade incessante. Quero o anticiclone dos Açores de volta... Também queria a minha paixão canina de volta e resta-me olhar para o jardim da saudade. Flores plantadas onde residirá um pedaço de pecado por lágrimas escorridas, dirão alguns. Era um animal, mas nós também não passamos disso. E ele conhecia o valor da amizade, aquela utopia dos tempos modernos. Adiante... Que outras paixões restam, para bem de pecados meus, por terras macedenses. A terra em si, a fantástica Mulher responsável pela existência deste Cavaleiro Andante, a indescritível gente que sorri honestamente ao forasteiro filho da terra. O Azibo, o inenarrável Azibo. Pelas águas que armazena, pela paisagem que criou, pelos sonhos que ajuda a sonhar. A minha Lamas, a minha Nogueirinha, as minhas aldeias e montes. O meu mundo de pedras, sons e aromas únicos. Pena a chuva, pena o manto gasoso que castrou a vontade de rever Bornes. Pena um fim-de-semana desgarrado, com traços da monotonia de um céu que não me deixou rever a minha terra pintada das cores que eu gosto...

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Motores efémeros

Ainda falta rasgar uma folha do calendário, é certo. A crueldade do tempo, entre a inspiração do hoje e a expiração do amanhã, não se sacia com movimentos de lentidão dos ponteiros. Nesse tempo que parece distante, o futuro mesmo ali ao lado, os montes entregues à devassidão do abandono, restolho de vidas ceifadas por adiadas promessas, encher-se-ão de seiva, em forma de pó, certo é. É efémero, um fim-de-semana apenas, e mais que ver veículos artilhados em manobras inusuais, a emoção de assistir ao regresso de vida. Montes ermos preenchidos por rugas na terra e pela gente com rugas que as lavrou. Caminhos que vão dar a lado nenhum, aquele onde ficam hospitalidades esquecidas e onde já ninguém se lembra de ir. Rasgos de idos tempos em que um qualquer Sino dos Mouros servia para chamar populações vizinhas à missa. Já não sei se há populações vizinhas ou, se as há, agonizam ao sabor de decrépitos edifícios escolares, vítimas, eles também, de um mundo que só tem olhos para o litoral. Silenciaram-se os sinos, vai-se calando a gente, mumifica-se a memória e ouve-se, cadenciadamente, o roncar dos motores. Qual espuma de tempos esquecidos, nuvens de pó anunciam uma passagem mais. Eleva-se a gente, espera-se um qualquer deslize, aguardam-se arrojadas trajectórias. E faz-se mais um disparo, tentando vislumbrar o próximo rasto poeirento, enquanto vai escorrendo uma bebida mais que arraste o pó que se vai acumulando na garganta. Olha-se a gente em redor, gente da terra e forasteira gente. Sente-se um pulsar diferente a cada olhar, não sei se da novidade, se da saudade. Protege-se o corpo de cada estocada no ribeiro que corre serra abaixo, salpica-se a alma escondido atrás de uma qualquer giesta e tenta-se captar o melhor momento para a posteridade. Sente-se o mar de xisto com ondas arbustivas, invasores do esquecimento. E olha-se, ao longe, talvez surja um pedaço de selvagem vida a questionar a paz invadida... O Rallye TT Serras do Norte é mais que um evento de desporto automóvel. É um presente, dado a gente habituada a prendas envenenadas, embrulhadas a papel de serviços públicos que fecham, dizem, por falta de gente. Querem que se cumpram requisitos. Quotas mínimas, afirmam, num território que querem deserto... Com barragens para alimentar o exterior da coutada...

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Algures a Nordeste

«Quem pega na bússola vê
oito direcções de mundo,
oito métodos de estar.
O oitavo é o Nordeste.
ALGURES A NORDESTE - A.M. Pires Cabral

Já por aqui disse que sou feito de xisto. Mas há gente feita de um xisto especial, gerado, quem sabe, por um metamorfismo assistido por um qualquer diabo que veio ao nascimento (ao enterro, logo se verá...). Veio mais um prémio literário para um filho da terra, um filho que sabe, como poucos, gravar na eternidade das pedras o pulsar e o sentir de um povo. Há filhos assim...

«...a vinha está morta e não está:
perdura viva em mim.
Isto, bem entendido, enquanto eu próprio
for algo em que algo possa perdurar.
Depois disso, perdurará naquilo
em que eu mesmo perdure.
E a partir daqui perde-se a conta.»
VINHA MORTA - A.M. Pires Cabral

Tradições com atraso...

(Antes de ouvir, e caso ainda não o tenha feito, desligue, p.f., o som da Cousas Rádio...)

sábado, 9 de janeiro de 2010

Equívocos históricos de uma futura coutada

Iluminado estaria o grande Torga, padrinho do Reino Maravilhoso. O desentorpecimento dos dias faz-me crer que o seu conceito, mesmo que apaixonadamente transmontano, estará para lá da aparente limpidez superficial. «Embora muitas pessoas digam que não, sempre houve e haverá reinos maravilhosos neste mundo.» Maravilhosos pela beleza, ou maravilhosos pelo imaginário do esquecimento?… No rio do calendário que corre, maravilhosos pelo estremecimento de um sonho, em que um qualquer mítico tesouro mouro repousará nas profundezas do «oceano megalítico»… Trás-os-Montes mantém o maravilhoso, perdeu há muito a categoria de reino. Já nem província é, transformaram-nos num híbrido estatístico. Ser de um mapa apagado, nomenclatura que me remete, irremediavelmente, para frutos de casca dura. Reminiscências de produtores de “chest NUTS”, algumas “wal NUTS” e “hazel NUTS”. Seremos tão penalizados por não produzirmos “coco NUTS”? Ironicamente, limitamo-nos à metade das minúsculas ou, em última instância, a deixarmo-nos ser tratados como tal… Os nossos olhos ainda não perderam «a virgindade original diante da realidade». O nosso mutismo fez-nos seres de “nuts” amolecidas, mesmo que façamos parte de um «mar de pedras». Talvez as pedras sejamos todos nós, pedras brandas, tratados como calhaus, gratos pelas benesses hipocritamente políticas com que somos bafejados pelo livre arbítrio de gente que nunca percebeu o que é viver «no cimo de Portugal». Um cimo desviado para um interior bem consonante com o afirmado pelo primo Aquilino, parente das Beiras, «terras do demo» que também somos. Seremos? Porque o esquecimento parece ser extensível ao dito. Nem o mesmo se lembra de nós… Seremos «como os ninhos», palavras de imortal Torga, que «ficam no cimo das árvores para que a distância os torne mais impossíveis e apetecidos»? Há «léguas e léguas de chão raivoso»… Sou feito desse chão, áspero e bravio, sou feito de xisto e de intrusões graníticas, corre-me o Azibo nas veias, o Sabor nas artérias e a minha linfa é feita de águas do Tua. A minha hematopoiese é um anómalo processo de onde saem eritrócitos com um volume globular do tamanho de Bornes, disformes leucócitos redesenhados ao sabor da Nogueira… E por desse raivoso chão ser feito, levanta-se a raiva por Alturas de Latães, ou pela Penha Mourisca, que “mai fai”. Ergue-se a dita porque querem fazer da transmontana mulher uma “pedra parideira” e Serra da Freita por cá não temos. Somos «mar de pedras», até as pedras são dignas de não parirem num qualquer IP4, estatísticas mal amanhadas que encerram maternidades por força de números, algarismos mal paridos em gabinetes de adiadas promessas de helicópteros. Proteste a Assembleia Municipal, que nem o demo nos ouve… As hélices estão agora viradas para novo parto numérico. Seremos poucos, é certo, mas cães vadios não somos e até esses merecem tratamento digno. Infiltram-nos com rebuçados embrulhados a esperança, serviços de oncologia, hospital de dia. Afinal, não há requisitos mínimos, disfarce de um tribunal de contas para criar um “hospital de noite”, sem luz para os olhos da gente brotada para lá do Marão. Regressem, Bragançãos! Mendo Alão raptor de princesas, bravos descendentes incomodados por natas escorridas em barba rija… Volta, Nuno Martins de Chacim! Estás perdoado pelos abusos e usurpações ao povo transmontano! Renasce, Sancho I e esquece lá o foral que deste a Bragança e as lutas que tiveste para manter um pedaço de terra onde «não se vê por que maneira este solo é capaz de dar pão e vinho»! Ressuscita, João Afonso Pimentel, e luta arduamente, sem convencimentos de Condestável que valham a pena! Ainda que uma nódoa fique no Martim Gonçalves, que de Macedo era… Revivam Zoelas e venham de novo Romanos, inteligentes conquistadores que precocemente perceberam os genes de ancestrais transmontanos, integrando-os no Conventus Asturicensis. Estamos longe de Asturica Augusta, mas temos Ocellum Duri aqui ao lado… Não havia tribunal de contas que adiasse as suas vias, ainda que traçadas num quase inóspito território com entranhas de valor, abertas, explorações mineiras para serem encerradas. Prenúncio de contemporâneos serviços… Poupava-se em promessas eternamente adiadas, e o Marão persistiria em barreira impenetrável. Não teríamos Ministros da Cultura a parodiarem com o enclave leonês linguístico, daríamos livre curso à história. Como temos mais afinidades com o outro lado, já não me importa que nos transformem numa versão neo-Olivença, num qualquer negócio com paralelismo no conhecido Alasca. Afinal, já como “erbanços” e já desço “escaleiras”… Habituar-me-ia a ter um “tren del Tua, sin embalses, com aprovechamiento turistico, añadido de una autovia sin peage”… E, quem sabe, faria parte da “Sanidad de Castilla y Leon”, e seria atendido no “Hospital Virgen de la Concha”… Não me incomodaria fazer parte “del area de los verracos y piedras fincadas, territorio de los Zoelas y de los Vettones”. Talvez tivesse direito a uma “aldea historica recuperada de Banreses”, a uma maior exaltação de uma “Fraga de los Cuervos” ou à preservação da história e da cultura de um povo. E, quem sabe, “el Lago del Azibo” atingisse um patamar de ícone semelhante ao homólogo da Senabria… Talvez aí, sim, “el mar de piedras” fosse um “reino maravilloso”… Sem substanciais alterações no orgulho… Desculpa, Miguel Torga… “El nombre de Transmontano, que quier decir hijo de Trás-os-Montes, pues asi se llama el Reino Maravilloso de que vos he hablado”… Eu seria apenas um filho de “Manzanedo de los Caballeros”…

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Juventude irrequieta

Um pouco de revivalismo... De um tempo em que o país ainda parava para assistir ao Festival da Eurovisão ou para ver os Jogos sem Fronteiras. As ansiedades e desejos da passagem de ano esmoreciam ao sabor do estômago cheio, combinações feitas, ar gélido por companhia, instrumentos artesanais preparados no arcaísmo do tempo... E vozes convencidamente afinadas. O encontro não tinha hora marcada, os gorros e cachecóis iam pintalgando o parque infantil à medida que os deveres do jantar iam finando. Não se contavam cabeças, sabia-se instintivamente que já estavam todos. Caso não estivessem, haveriam de encontrar os restantes. Quando o cansaço se apoderava da visão do bafo quente que desenhava efémeras nuvens na atmosfera fria, era hora de olhar em redor, tentando descortinar as casas que apresentavam vestígios de gente. Não se sabia por onde começar, mas o início tinha sempre lugar. "Ainda agora aqui cheguei, pus o pé nesta escada...". Os improvisados ferrinhos, o tambor desajeitado, e outras coisas mais, inventos de ocasião da preciosidade infanto-juvenil. E as vozes... Ah, as vozes! Aquelas certinhas mas desafinadas vozes, interrompidas por ocasionais risadas a cada engano. Como ainda não havia o conceito de júris, importava apenas o resultado final, depois de mais um "Quem diremos nós que viva; Por cima de uma azeiteira; Viva lá a dona da casa; Que é uma boa cozinheira"... "Quem diremos nós que viva; Nós não queremos ficar mal; Vivam os patrões desta casa; Vivam todos em geral"... Viesse de lá o sorriso dos moradores, acompanhado da preciosa moedita de "cincroas" ou "cinco paus". "Quanto é que já temos?"... Paradoxalmente, a suprema experiência advinha de não recebermos nada pelo esforço, para lá de uma porta que se mantinha fechada. Era motivo mais que justificável para a vingança... "Estes barbas de farelos; Não têm nada para nos dar; Só têm uma arquinha velha; Onde os ratos vão...(coisas fisiológicas, entende-se)"... Acompanhada de estridentes gritos e arremessos contra a dita porta que não se abria. E um "pernas, para que te quero". Ajudava a aquecer a noite fria... No final da jornada, qual miudagem do "Once upon a time in America", secretas reuniões de partilha do bolo, munidos de vontade que o dia seguinte chegasse, orgulhosos da receita nocturna. Eram as Janeiras, os Reis, ou o que quer que fosse. Era uma forma de partilha de um conceito de amizade que se esfumou, cumplicidades geradas num materialismo imberbe... Aquela mesma cumplicidade com que vou sendo presenteado, à distância de um telefonema... "Meninos, venham! É a avó! Vai-nos cantar os Reis!" E canta, naquela pureza encontrada em voz de avó. Inolvidáveis minutos de emoção transmontana...

Compensações

O ano até começou com algumas agruras pessoais. Pontualmente, temos que nos resignar às perdas. Como entendo que, apesar de tudo, ainda existe algum equilíbrio, sempre que sou bafejado pelos ventos da má sorte, parto logo em desenfreada e obstinada busca de compensações. Ainda que apenas as encontre no mundo futebolístico. Timidamente, lá arrancam um sorriso ao semblante carregado. E não é para menos. Após o fim-de-semana deparei-me com algo inusitado: o meu clube de coração ocupa a primeira posição! E não é no Campeonato Regional! Também não é naquela Liga patrocinada alcoolicamente... Resume-se à Série A da III Divisão, mas o "mou Club'Atlético" está à frente!!! Que "contcho" fico!!!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Dores de alma

Pode parecer obsceno, à luz de certos conceitos instituídos, mas perdi um pedaço da minha alma macedense. Há paixões assim, que nos acompanham, anormalmente, durante 16 anos das nossas vidas. Surgem da loucura da paixão canina, pequenos, indefesos, aguardando impacientemente pelos cuidados dos donos. E crescem, ao sabor de loucas brincadeiras, na quase insanidade de idiotices infantis, corridas desenfreadas atrás de uma bola, lutas simuladas. E nunca nos preparamos convenientemente para a partida. Mesmo que o calendário vá sendo rasgado de forma inexorável. Enganamo-nos, pensando que haverá sempre uma nova ida a Macedo, com a paixão canina, ainda que debilitada pelo peso dos anos, aguardando impacientemente o inconfundível assobio do dono. No Natal, tinha-lhe dado um beijo sentido, daqueles que dizem não dever dar-se a um cão, agradecendo-lhe a paciência por, mesmo doente, ter acedido ao meu pedido de aguardar a passagem de mais umas Festas. Tinha-lhe dito para esperar uma semana mais, que o dono por lá estaria outra vez. Esperou, mas a neve não deixou o dono passar... E ele cansou-se da espera, ou não quis que o dono o visse sem vida... Talvez pela tanta vida que me deu... Há dores inexplicáveis, vazios difíceis de preencher... Não era um cão, era uma parte de mim...

sábado, 2 de janeiro de 2010

2010, Panaceia do Bagaço

Só para entreter e chamar a atenção. Não, obviamente, pelo bagaço, nem pela pretensa panaceia, ainda que um e outro servissem para curar alguns males de que enferma este país. Mais não fosse, pelo poder do bagaço para desinfestação interior. "Ó menos, queima e mát'ó bitcho"... Escuso-me à nomeação dos "bitchos"... Ainda que a mesma possa estar subentendida por associações a beneditinos... S. Bento?... Assembleia?... República?... Desgoverno?... De(s)putados?... Valha-me a originalidade, que nem Kubrick nem o Artur, não o da Távola Redonda, mas o Clarke de seu nome, se lembrariam de tamanha odisseia... Ainda que a mesma decorresse no espaço, invertendo posições dos algarismos. Mas fica bem ou, pelo menos, fica a piada de mau gosto, caso o alambique não tenha facultado o esperado "taste". "Anyway", fica a sugestão de um qualquer abade transmontano que elevou o bagaço a cura de todos os males e a poção da longevidade. Inquisição, chamem a Inquisição!... Quem? O Santo Ofício já não existe! "Quem tu dixo?"... A Fogueira das Verdades apenas foi ultrapassada pela das Vaidades (já sei, párem com as acusações de pseudo-versado em Sétima Arte... isto é só Fogueira de Vista, deriva de conhecimento ocasional acumulado por umas ocasionais consultas à enciclopédia livre... pleonasmos à parte...). "Unde é q'ia?"... "Imburratchei-me, de certo, q'isto já num bate a cara cum a trombeta, careta, digo ou, que já se m'im inrolum os dizeres"... "Bem mou finto, q'inda te saim as palabras dreitas"... "Bô, já num injaldras nada, inté parece que esbaras nessa cousa que s'aparece c'um teclado"... "Prontos, páro já d'injoujar que já m'apareço c'um aldrúbias a fazer mangação"... Isto tudo para dizer o quê?................................. Saudades da terra, orgulho na mesma, saudades de novo e repetido orgulho. Nota-se pouco, é certo. Mas não tenho culpa de ser feito de xisto... Podia ter nascido nas Berlengas, nas Desertas ou nas Selvagens, mas... Há "gajos" com sorte: nasceram "ó pé" da do Fidalgo ainda antes de a dita existir. "E ó depeis?"... "Ó depeis", ser de Macedo é fazer parte da seiva. É melhor ou pior que ser de outro lado qualquer? É apenas tão diferente como ser desse outro lado qualquer. Sente-se, na ambiguidade do ser. Mesmo que a Maria da Fonte seja uma fonte do acaso. E que o acaso tenha brindado a Maria com duas "fontes abantesmas" de mau gosto no lado de lá do Jardim. E que já estejamos em 2010... E que ainda esteja a digerir a forçada ausência das terras que serviram de alicerce à minha existência... "Cum licença, tânho q'ir"...