Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



domingo, 2 de outubro de 2011

José - Pedradas no charco do 44º Bispo de Bragança-Miranda

Tenho um grande apreço por uma rara espécie a que as gentes de terras do Tio Sam convencionaram epitetar de "mavericks" - um conceito para o qual, ao que julgo saber, não existe vocábulo equivalente na língua que foi vilipendiada por um qualquer aborto ortográfico. Um "maverick" será alguém que se destaca por trilhar caminhos inusuais, que assume o risco de não seguir os padrões habituais, que aposta na independência de pensamentos, agindo de forma intrépida para o seu próprio bem sem desvirtuar a essência de palmilhar os terrenos que contribuam, em simultâneo, para o bem alheio. Poderia estar aqui horas a fio em descritivo processo que, ainda assim, não conseguiria abarcar todo o conceito inerente ao potencial neologismo - talvez sejam limitações inerentes à não aceitação do atrás mencionado vilipêndio... Mas consigo, de indubitável forma, tipificá-lo através de um exemplo. Não um exemplo qualquer, não um daqueles espécimes que, honrarias dixit, são adornados por uma intensa graxa de cores diversas apenas porque foram elevados ao patamar de supremo pastor do rebanho do extremo nordeste do meu Reino. Prefiro vê-lo como distinta peça do rebanho, Cordeiro o é afinal, "alma mater" em masculina versão de modernos tempos, potencial "pater noster" de pródigos espíritos, líder de um exército de paz que parece ter acabado de transpôr o Rubicão proferindo uma nova versão do "alea jacta est". Soa-me a estranho esta alusão, não por do rebanho não ser, fisicamente distante, certo é, mas por tresmalhada ovelha ser por vezes, "maverick" o diria, na aparência de empertigada extremidade nasal. São as fugas ao estabelecido, rompimentos do "status quo", afinidades com posturas do quadragésimo quarto, cumplicidades com o Bispo que apreço tem por chamar o rebanho com recurso ao mel desprezando o fel. Não irei ao beija-mão, a essência não despedeçarei contra públicas manifestações, da fogueira vaidades, perdoem-me inacabadas inquisições, vassalagens de prestações muitas. Remeto-me à infâmia de presumida ausência, anonimato de roucos louvores, exaltação da diferença, chegará o dia de homenagem ao pastor que culto presta ao terreno e banal prazer de uns chutos na bola, ou de tributo prestar ao homem que, efémeros momentos, troca a mitra por distinta insígnia de Baden-Powell. Venha de lá a "canhota", ou "Sempre Alerta"... E venham também mais cinco, ou mais muitos, nos quais assumo, provisoriamente em tendência para o definitivo, me incluo. Arrojo ao patamar de humilde "grão de amendoeira", renovações de caducos mundos, resposta ao chamamento, anuência a distinto apelo, visíveis já eram as ondas, brisas de cardeais pontos na colateralidade de Novo ou Gomes, Eduardo ou Júlio, prenúncios de vagas do rejuvenescimento. Alegremente regrido, epopeia a tempos de infância de inabaláveis crenças, folga o costado de emigrado da fé, anime-se a esperança de tempos outros. Tiro-te o chapéu, José, ou tiro-lhe o chapéu, D.José Cordeiro, vingue a esperança de ver o meu mundo olhado com o inusitado, da semente nova árvore ou, controladas ambições, ramagens que amparem o torpor e raízes que sustentem o alheamento. E, já agora, pedir muito não seja, que esta transcrição do "Blogue de Grão de Amendoeira" mantenha a validade, muito para lá da sua recente publicação: «Ultimamente, a Comissão de Arte Sacra, em parceria com a Associação Terras Quentes, tem estado a promover a inventariação do património móvel. A diocese de Bragança – Miranda, lidera, a nível do país, no campo da inventariação, com mais de 11 mil peças já registadas, mostrando o seu empenho e trabalho desenvolvido e certamente que, D. José Cordeiro, continuará a dar continuidade e atenção»... A Diocese, o Nordeste Trasmontano, mais que merecer um Bispo assim, talvez precise de Homens assim. De amplas visões...