Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



quarta-feira, 24 de junho de 2009

Maus espíritos e pátrias pequeninas

Já por aqui manifestei a minha estranheza pela atribuição, por parte de Adriano Moreira, do seu espólio à cidade de Bragança. Parece que a oposição "nome da rosa" da autarquia macedense acordou recentemente para semelhante protesto. Parafraseando o donatário, isto mais se assemelha a uma "luta contra os maus espíritos". Mas contrariando as suas afirmações por ocasião da homenagem que lhe foi prestada, esta luta não vem dos tempos pré-romanos (é de agora) e, se ainda não ganhamos a guerra, parece que já a perdemos. Será por sermos a mais jovem pátria dentro da "pátria pequenina" a que o nosso presidente fez referência? Ou será por serem os macedenses mais homens de "alma sensível" que de "porte agreste"? Veja-se o lado positivo... Não fomos bafejados pela sensibilidade de um conterrâneo, mas temos o "ouro" da Fraga da Pegada. E temos um Museu de Arte Sacra que tem tido uma adesão superior ao expectável. E ainda temos uma carreira de tiro onde os polícias de Bragança vêm afinar a pontaria (mesmo que isso, em termos práticos, não sirva para nada, tal a insegurança que vai reinando). Mas as boas coisas dos descendentes ou aparentados do Martim (o tal "de Macedo" que andou por Aljubarrota) não se ficam por aqui... Contrariando o trivial fenómeno que assola este país futebolístico, no qual um dos arquipélagos conseguiu "botar" uma transferência do outro mundo, Macedo vai muito mais longe que o seu Clube Atlético. Para lá de termos um "rally" também temos a capacidade de colocar asas e realizar magníficas provas de parapente na também magnífica serra de Bornes bem como a de apelar ao poder de impulsão para incluir o Azibo no Nacional de Voleibol de Praia. "Sêmos bôs nu'as cousas, ma nim tantu noutras"... Como, por exemplo, mantermo-nos à margem da existência de Equipas de Intervenção Permanente de Bombeiros. "Num sei quem mu dixo, mas diz'que por'i debe habere bigário que num quer'u padre... Debe, debe..."

Cousas sanjoaninas na terra adoptiva

Mesmo não estando presente a alegria de outros anos (por motivos ligados, infelizmente, a ausências familiares para a eternidade), ainda assim a catraiada deve manter-se alheia ao infortúnio e há que manter a tradição (pelo menos) do jantar de S. João, inundado pelos aromas oriundos da selvajaria anual contra os cardumes ricos em Omega 3. Ou, dito de forma mais simples, as sardinhas. Não há rua ou beco onde as brasas não fomentem a elevação da fumarada que há-de deixar as vestes impregnadas de um bombástico perfume, onde se misturam essências de pimentos, febras e sardinhas. As ditas, frescas e gordinhas, vão assando ao ritmo dos sons que divergem dos diversos bailaricos que inundam a noite sanjoanina, intercalados pela aparente disputa pela supremacia numa espécie de batalha aérea, onde foguetes vão, aqui e acolá, confundindo bandos de aves aturdidas. A confecção não tarda muito, iluminada pela quantidade de balões que se elevam, como que a quererem fazer inveja à Ursa Menor e restantes acompanhantes na esfera celeste. Alguns deles precipitam-se numa abrupta queda, depois de um fenómeno de auto-combustão, mergulhando aleatoriamente, não deixando de gerar alguma apreensão sobre a sua capacidade de apelar à presença de um qualquer corpo de bombeiros... Ontem vi, pelo menos, três deles nesse mergulho vertiginoso. O primeiro, aterrou violentamente num campo de milho, tendo o segundo assustado os que na rua passavam. Quanto ao terceiro, não consegui descortinar se finou antes do impacto terrestre... Podem representar algum perigo, mas a verdade é que dão um colorido diferente a uma noite diferente... Após o repasto, devidamente regado para melhor digestão, é hora de colocar a conversa em dia e deixar a miudagem divertir-se um pouco. Como manda a tradição, não pode haver S. João sem caldo verde a horas tardias e sem uma ceia onde a carne substitui o peixe do jantar. Apenas e tão só, para mais um copo... Estômagos acomodados, é hora de regressar ao leito, com os neurónios ligeiramente atordoados pelo consumo excessivo de sardinhas... Ops...

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Eleições Europeias - Curiosidades Masaedenses III

Mas, sendo Corujas a maior excepção, as "anomalias" dos resultados eleitorais não terminaram por aí... A começar por Soutelo Mourisco onde, das 13 organizações partidárias a votos, só as 2 do "Bloco Central" mereceram a "cruzinha" (não contando com os 2 votos em branco e os 4 nulos). Seguindo para a quase vizinha Edroso, onde só os "centristas" também tiveram direito a "cruzinhas", deixando os outros 10 partidos a ver navios. E se Corujas merece o próximo comício "centrista", Edroso bem merecia o próximo "laranja": os da "Ti Manela" bateram todos os scores concelhios com 70,21%! Já os homens do "Eng. Filósofo" deverão aproveitar a envolvência do Azibo, presenteando Santa Combinha com a sua próxima reunião, atendendo aos magníficos 40% que aí atingiram, ainda que em 2º lugar do pódio (os seus 12 votantes bem o merecem). Quando o fizerem, passem bem ao lado de Lamas, onde obtiveram um resultado que igualou o dos "MRPP's": 2,82% (que mal fez a "rosa" à terra da Senhora do Campo?). Por ter mencionado o "Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado" (que também se diz Comunista dos Trabalhadores Portugueses - o "outro" deve ser ou dos Não-Trabalhadores ou dos Trabalhadores Estrangeiros), e por estarmos nas imediações do Azibo, deveriam fazer uma visita a Vale da Porca onde, pelos vistos, conseguem fazer passar a sua mensagem: obtiveram 3,91% dos votos, o que, comparado com os 1,21% a nível nacional ou 0,94% a nível concelhio, não deixa margem para dúvidas. Já que fiz referência ao outro partido que utiliza o binómio foice-martelo, ajudado por um girassol, deveriam agendar o próximo evento de camaradas do comité central para os Cortiços, reservando o período vespertino para uma saltada ao outro extremo, até Bagueixe. Representaram a excepção na tradição concelhia, fazendo subir a fasquia da coligação liderada pelo homem com nome de herói Apache para, respectivamente, 16,98% e 14,1%! Fantástico, para um partido que sente cada vez mais a ameaça dos ex-PSR's, ex-UDP's e ex-MDP-CDE's... Se, como já referido, um dos "Puertas" deveria ir a Edroso, o outro deveria aproveitar a boleia e ficar-se por Carrapatas (para lá de um lugar no pódio, logo atrás do "bloco central", obteve um valor acima da surpreendente votação nacional, ou seja, 12,07% contra 10,73%). Logo de seguida, descia até à Burga onde, ficando de novo no pódio, muito se aproximou do valor nacional: 9,09%. Não esquecendo uma outra freguesia onde também ocuparam o 3º lugar: Santa Combinha (não relevando, obviamente, que esse lugar foi conseguido à custa de 2 míseros votos...). Fica, contudo, um aviso para as duas organizações que registaram um quase empate técnico a nível nacional, na casa dos 11%. A caravana do "Chico" deveria aproveitar o périplo para investigar se nas freguesias de Edroso, Murçós, Soutelo Mourisco e Vilarinho do Monte só existe "bloco de direita" ou se adulteraram os boletins de voto, cortando o 1º partido que vinha na lista... Por sua vez,a do "comité central" deveria investigar se não há proletariado nas freguesias de Corujas, Edroso, Ferreira, Lamalonga, Sesulfe, Soutelo Mourisco e Vilarinho de Agrochão... Já no que respeita aos partidos do "outro campeonato", sejam eles históricos ou da vaga CPP (Corpo de Paraquedistas Partidários), não conseguiram, em definitivo, passar a mensagem. Ou passaram a mesma de sempre, com maior ou menor variação. Destaque para a quase inexistência de "operários" no concelho, à semelhança, pelos vistos, do que acontece no país. A organização que tem um "4" no símbolo, do qual sai um punho, ainda possui 10 operários no concelho, salientando-se os excepcionais 1,32% na Amendoeira, com 2 votos (nas outras 8 freguesias onde repararam no "4", obteve os restantes 8 votos). A atentar nos resultados, parece haver no concelho mais "nacionalistas" que "operários". Só são mais dois, mas coexistem em 4 freguesias: Arcas, Cortiços, Macedo e Vinhas. A coisa só poderá parecer injusta nas Arcas (3 para 1) e em Macedo (2 para 1), já que nas duas restantes se ficam no mais justo 1 para 1. Parece que o MMS conseguiu passar a mensagem a 12 pessoas (fica a sugestão de, em próximos actos eleitorais, tentarem passar a ideia por SMS), sendo que existem 17 "humanistas" no concelho (a mensagem de não-violência parece não pegar). A "esperança" conseguiu atingir 15 freguesias do concelho, nas quais 51 pessoas terão percebido a mensagem de uma jornalista... Regressando a Corujas... Provavelmente pelo seu nome associado à fauna, os "ecologistas" conseguiram a magnífica marca de 5,06%, atingindo 4 votantes, só superados pelos 8 de Macedo. O partido fundado por um ex-monárquico, seu presidente honorário, conseguiu convencer, no total concelhio, 34 mentes, o que parecerá irreal num concelho que contém uma Paisagem Protegida... Por mencionar "monárquicos", ainda resistem no concelho 20 defensores do Reino, sendo de realçar os heróicos 4,76% que, quais irredutíveis gauleses, se refugiam em Vilarinho do Monte (mesmo que sejam menos que os 4 de Macedo ou os 3 de Morais e igualem os 2 de Salselas, representam uma maior percentagem... E números são números...). Vivam as Repúblicas e vivam os Reinos que fazem parte desta Europa que pouca gente entende e mais de 2/3 dos macedenses, pelos vistos, não quer entender...

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Eleições Europeias - Curiosidades Masaedenses II

Não houve, propriamente, novidade nos resultados das votações no concelho: em 37 das 38 freguesias houve "laranjada". Mas a excepção não foi, contrariamente ao que possa pensar-se, marcada por uma vitória "rosada". A digna freguesia de Corujas (onde, aliás, possuo uma parte da minha ascendência) resolveu presentear "Pablo Puertas y sus muchachos" com números nada habituais para as bandas dos "centristas": 41,77% é valor que deveria merecer a marcação do próximo comício nacional para esta terra que dista cerca de 10km da sede concelhia. Mesmo que na eventual reunião, para lá dos dirigentes e seu séquito, apenas estivessem presentes os 33 votantes... Dado o mediatismo que a coisa assumiria, acredito que teriam presença assegurada os restantes 46 votantes, acrescidos, talvez, dos 175 abstencionistas (mesmo que, segundo os Censos 2001, só devessem ser 134 - há 41 recenseados que "fugiram" da freguesia)... E não me parece que haja indicadores que anunciem a renovação. Reportando-me a números do ano lectivo 2003/2004, e acreditando nos Censos, a população estudantil não representava mais de 16% do total de habitantes da freguesia. Se lhe acrescentarmos a perda de 12,3% da população (30 hab) entre 1991 e 2001, a tendência não é animadora... Coisas da interioridade e da ruralidade... Infelizmente, imagem de marca em praticamente todas as restantes freguesias do concelho... Corujas serviu aqui apenas de exemplo pela excepção que representou à "onda laranja" neste acto eleitoral... http://corujas.jfreguesia.com/

Eleições Europeias - Curiosidades Masaedenses

Ouço todos os sectores da política a queixarem-se da elevada abstenção nas Europeias. Não me incluo nos abstencionistas, mas não deixo de o fazer naquele grupo dos que ainda não perceberam muito bem o alcance destas eleições. A não ser que se resuma a dar ocupação a uma lista de ex-ministros... Adiante... Parece-me que se pode fazer uma analogia entre este acto eleitoral e a época futebolística. As Europeias não vão passando de um torneio de pré-época: se se perder, não passa de uma coisa secundária que daria alguns euros extra e um troféu para acrescentar no expositor; caso se ganhe, o torneio serviu para demonstrar as qualidades da equipa, que as noções do treinador foram apreendidas, que já existe um fio de jogo, blá, blá, blá... O presumível "cartão laranja" não foi uma forma de demonstrar a melhor capacidade dos eurodeputados do partido que já foi das "três setinhas". Foi apenas um jogo de preparação em que os da "rosa" pareceram não estar muito bem preparados, mesmo após os "cartões amarelos" que têm levado. O grande vencedor voltou a ser, contudo, o PA (Partido dos Abstencionistas). Ganhar umas eleições com 63,15% não é para todos... O mesmo partido venceu por larga maioria no concelho de Macedo (71,4%), o mesmo sendo extensível ao distrito bragançano (69,51%). Ou estava "birolho" ou não vi o dito partido vencedor no boletim de voto... Por isso, votei num perdedor...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Feiras e... Protestos


Junho... Mês dos feriados, das festas populares, das sardinhadas... E do incremento dos níveis de ansiedade pela aproximação do período estival e, com ele, as merecidas (para alguns...) férias. Enquanto as ditas não chegam, vai-se tentando adivinhar o que nos reserva o tridente de santos populares. Para já, a amostra de tempo outono-invernal não é grande presságio... Como não há mal que sempre dure, e ainda que haja protestos por dívidas não saldadas relativas a edições anteriores, a FEIRA DE S.PEDRO 2009 está aí à porta, sem grandes novidades... A grande aposta não parece ser a presença na abertura do certame do recordista de concertos e CD's vendidos. Parece, sim, a colocação do preço dos bilhetes num patamar pouco normal para estes eventos: 1 EURO. Sucesso garantido de "casa" cheia... Eu não estarei lá... Mas deixo o desejo dos maiores sucessos para a organização... E melhores proveitos...