Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Crónicas do espírito natalício

Era uma vez... Um mundo onde a existência de grandes superfícies comerciais era uma utopia. Onde o marketing agressivo se resumia a umas "imbutchinices" entre os proprietários dos "sótos" onde se vendia de tudo, bens perecíveis numa anómala e harmónica combinação com combinações têxteis. Quando passo no "sóto" do "Sô'rmando Mendes" ainda consigo descortinar imagens apagadas pela corrosão do tempo... Entretanto, numa das mais arrojadas estratégias de merchandising de que há memória, uma marca que, no seu país de origem é suplantada largamente pela concorrência, acabou por constranger o mundo ocidental e, paralelamente, banir da memória "tuga" o "Maninu Jasus". Fomos na onda de acreditar na miscigenação da lenda de um benfeitor bispo "turco" com uma tradição pagã de origem nórdica. Juntaram-se-lhes uns pozinhos da imaginação de um professor de literatura oriental e grega que se lembrou de escrever "A visita de São Nicolau". Temperou-se o cozinhado com a genialidade de um publicitário dos anos 30 do século passado, que decidiu fazer um "remix" onde entrou o velhote de barbas brancas da lenda nórdica com o homólogo bispo de Mira, vestindo o híbrido ser daí resultante com as cores do tal refrigerante. Estava germinado o tal ser que acabou por substituir o "Manino Jasus" que me trazia as prendas na madrugada de 24 para 25 de Dezembro: o "Santa Claus" da mesma latitude do lado de lá do Atlântico, "Père Noël" francófono ou aquele que ainda nos hão-de impor por via de "acórredus ôrtuôgrráficuôs", um tal de "Papai Noéu". Não discuto a simpática figura, mais as Dasher, Dancer, Prancer, Vixen, Comet, Cupid, Blitzen e Donder que "gramam" com o peso do trenó. A mais conhecida rena, "Rodolfo do Nariz Vermelho", não passa de um êxito musical do "cóboi" cantador dos filmes "Faroeste B" que antecederam o sucesso de "Roy Rogers"... Não me vou imiscuir no imaginário infantil... Mal ou bem, fui cúmplice, nos tempos em que a ingenuidade dos meus "pirralhos" tinha que ser alimentada... Ainda que me questionassem como é que um ser com excessos lipídicos cabia pelo orifício da chaminé. E porque não apagávamos a lareira... Lá lhes dizia que era a magia do Natal e que a barriga proeminente não era problema. Está bem, está... Então o Obelix também poderia entrar pela chaminé? Não!!! Porque o Pai Natal trazia prendas e o inseparável amigo do Asterix ainda nos deixava cair um menir em cima da "tola"... E depois, um dia, numa época em que estava a crescer lateralmente, achei que poderia incarnar (ou encarnar, dependendo dos dicionários, sigo a derivação latina) a mítica figura do ser que vestia da cor do emblema representado pelo Rafael Corujo. Fiquei frustrado porque, por muito que tenha treinado o "ôh, ôh, ôh", a minha bailarina sobrinha, ainda na sua tenra idade, achou que os olhos do "parvo" vestido de encarnado eram parecidos com os do "Ti Ula" (a forma carinhosa pela qual o "Cavaleiro Andante" é tratado pela "sobrinhagem" e da qual não prescindo, epíteto inventado pelo linguajar precoce da minha "Benanes"). Ainda pensei em fazer de "Manino Jasus" mas já não havia palhas que suportassem o excessivo peso, e o simpático velhote de barbas brancas já o tinha, definitivamente, substituído como portador de prendas natalícias. E hoje está tudo adulterado pelo consumismo galopante. Aparece agora uma publicidade que sugere que facultemos umas férias ao Pai Natal, feita de imagens com espírito veraneante. Pelo andar da carruagem, tal a precocidade temporal com que as "compras de Natal" começam a invadir-nos os lares, não me admiro que, mais ano, menos ano, enquanto aprecio o tostar das praias "tchêinhas" de iodo, me apareça um "ôh, ôh, ôh" a invadir-me o sossego... Tenho saudades do espírito natalício que reinava na época em que as montras só eram decoradas uma semana antes da Consoada. E das incursões que, invariavelmente, me conduziam à aldeia, para junto dos do "mou sangue". Reinava uma atmosfera onde o gélido ar era compensado pelo calor do ambiente que, sabe-se lá porque artes mágicas, pairava no ar. Havia efusividade a cada esquina, a cada invasão ao monte em busca dos "tóros" para a fogueira de Natal. Bastava a simplicidade das tabernas-vende-tudo do "Ti Luís" e do "Sô Zé Pinto" e dispensavam-se miscelâneas publicitárias de "Continentes-Jumbos-Pingo Doces-Intermarchés"... Da mesma forma que, em Macedo, mais à esquerda, mais à direita, ia dar-se ao "Manel Mascarenhas", ao "Armando Correia", ao "Eduardo Velhinho" ou à "Tabacaria do Maldonado". Ou, mais tarde, à "Libraria"... O mais barato estava ali à mão de semear, e o mais caro também. E havia sempre um sorriso de troco a cada compra. O dia de Consoada ainda não era o tal que serve para a exaltação do poder da carteira. Mesmo que, por uma questão de sobriedade, me deixassem as melhores prendas em Macedo, adorava os presentes que o "Manino Jasus" me deixava ficar, em Lamas, no sapatinho (o dito ficava, religiosamente, repousado durante a noite à espera dos encantos da manhã do dia de Natal). Só nunca percebia muito bem porque apareciam uns papéis do Santo António, da Rainha Santa Isabel ou do Camilo Castelo Branco no sapato. Especialmente porque nunca constaram da lista que, com a devida antecedência, elaborava, não fossem os "correios" atrasar-se na entrega. Por mais que tentassem explicar-me a coisa, acabava sempre por questionar o facto da indisponibilidade temporal do "Manino Jasus" para gastar, em prendas, o dinheiro que me deixava no sapato. Preferia "bombokas" a um estúpido papel esverdeado-alaranjado-azulado que não me deixavam ir esturricar em laranjadas, gasosas e partidas de matraquilhos. Imposições dos progenitores à parte, fica a lembrança de uma semana mágica (não de umas largas semanas desprovidas de magia, invadidas por uma atroz publicidade que, chegados ao Natal propriamente dito, já vomitamos o "bolo-rei mais barato" das redondezas, arredores e limítrofes). Uma semana que tinha o seu epílogo numa celebrada reunião familiar (com espírito familiar propriamente dito), onde o bacalhau, os rábanos, a couve e as batatas sabiam a... bacalhau, rábanos, couves e batatas. Onde havia lugar à degustação daquelas coisas doces que iam enchendo os receptores nasais no decorrer da tarde, enquanto se fazia uma pausa no "rou-rou", na "macaca" ou no "arranca-cebada". E onde, após uma ceia feita de ancestrais histórias e piadas repetidas vezes sem conta, se passavam uns inesquecíveis momentos, em família, a jogar ao "raspa", com uma artesanal "piúsca" feita com a dedicação do "Ti Fanano". E depois havia a ida à Missa do Galo, rezada com devoção pelo Padre Quina e acompanhada pela desafinação encantadora de um "neite f'liz, neite f'liz". E o ritual de, terminada a celebração, se dar o ajuntamento da comunidade em volta da fogueira, antes da recolha ao aconchego. E à "tchigada do Manino Jasus que trai as prendas"... Maldito consumismo...

Sem comentários: