Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



quarta-feira, 9 de abril de 2008

Folaradas

Com alguns "desnorteados", a tradição ainda é o que era. Talvez seja obstinação... Seria mais fácil ir à padaria e comprar o folar já feito: poupava-se o trabalho, mas perdia-se o prazer de saborear algo feito por nós. Para os desconhecedores, a imagem pode até ser um pouco repugnante, mas o resultado final deveria fazer parte dos melhores manuais de gourmet. Mesmo tendo que requisitar a preciosa ajuda de duas especialistas, não resistimos à empreitada... No meu caso pessoal, foi reconfortante assistir a toda uma panóplia de preparativos. Na Quinta-feira Santa, foi o tiro de partida: a família reuniu para cortar as carnes que fazem parte do recheio. Fazendo jus à minha apetência pelo bom fumeiro transmontano, não resisti a surripiar alguns pedaços, enquanto os protestos iam surgindo... Aproximava-se a Sexta-feira Santa e mais uma tradição familiar e cultural tinha que ser cumprida: não havia direito a carne durante um dia. Feriado esse que foi ocupado com a laboriosa tarefa da elaboração dos ditos folares. Tratou-se de um regresso à infância, quando acompanhava a minha mãe naquele ritual que incluía acender o forno, amassar, rechear, enformar, cozer e, finalmente, comer...

Sem comentários: