Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



sexta-feira, 24 de abril de 2009

"(Re)Novembrando" o 25 de Abril (II)


Desses tempos, não só pela tenra idade, mas também pelo isolamento a que (já) estava votada a provícia transmontana (casos houve de populações que só tiveram conhecimento da Revolução lá para Maio ou Junho), poucas recordações me ficaram. Contudo, uma há que deixou uma indelével marca negativa: a audição, até à exaustão, do "Grândola, Vila Morena". Parece-me que os meus anti-corpos se activaram de tal forma que fiquei possuído por uma alergia imensa àqueles acordes e ao som dos soldados a marchar que os acompanhavam. Deve ser por isso que sinto náuseas quando sou exposto ao fenómeno traumatizante que representam as emissões comemorativas do 25de Abril. Ou estou de tal forma traumatizado ou, invariavelmente, começam todos com a dita música (se ingerir uns ansiolíticos, até acho que a música e a letra têm qualidade - mas só nesse caso). Mas outras recordações ficaram. A começar pelos autocolantes que faziam as delícias da miudagem. E a continuar na proliferação de cartazes políticos que começaram a decorar os espaços públicos (e alguns privados) e a colorir o quotidiano de um povo pouco habituado a mais que a União Nacional. Outros tempos... Outras tecnologias...

Sem comentários: