Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



terça-feira, 12 de abril de 2011

Essência das cousas

Desconheço se o nada existe, mas é de lá vinda esta indomável saudade que, ao sabor de uma esquinada brisa de nordeste, limados os cantos, se acantona nas horas que passam. Mais intensa, de intensidade menor, ou de incomensurável dita, folga o costado enquanto o silvo do chicote amansa o ar impregnado a aromas de terra. Verdugo dos dias, noites também, e madrugadas outras, quiçá... É o prenúncio do fumo de "gabelas de guiços" que invadirá o cubículo, lacrimejantes olhos, hipnotismo dos sentidos, fixos olhares em chamas que aquecem o forno de todas as gulas. Será o folar, a bola de azeite, leveduras da alma, fermento da génese, um abraço na orgia que acometerá nasais receptores. Venha de lá o pecado, o de carnais prazeres, não o outro, virem-se as perversas mentes para as carnes que recheio dão à massa de ovos, azeite e farinha. E o invólucro de gordura que as separa do resto do amarelo manjar? Salivo, se salivo, como se as bucais enzimas sofressem um repentino esgotamento... "Atão, um home tamém tem dreito a uas pironguices"... Oh lentidão dos dias!... "Pacência", hão-de sucumbir ao inexorável rodopio da tríade de ponteiros. Tic-tac, tic-tac, o próximo sorriso de xisto é já ao virar da próxima descida... Ou subida, que "mai fai"...

Sem comentários: