Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



domingo, 8 de fevereiro de 2009

Cousas macedenses

Não é difícil adivinhar o meu orgulho em ser macedense. Contudo, o dito (orgulho) sofre, amiúde, os seus reveses. Vem isto a propósito de uns gritos estridentes dos meus pirralhos alertando-me para o facto de uma notícia sobre Macedo num programa de final de tarde, o "Nós por cá". Suspeitando que pudesse não ser coisa boa, não resisti a abandonar a tarefa que, entretanto, tinha em mãos. Dirigi-me para o local onde estava a TV ligada, na expectativa de acender um sorriso por ver a minha terra noticiada. No meio da confusão de "Macedos" gerada por umas obras inacabadas, lá fiquei a perceber que ainda bem que sou do "de Cavaleiros" em vez de ser do "do Mato". Caso contrário, arriscava-me, atendendo à querela existente entre as Câmaras de Bragança e Macedo a propósito da repavimentação de um troço de estrada, a ter que recorrer a algum veículo semelhante ao da foto (curiosamente, com origem em Macedo do Mato).

Desentendimentos camarários à parte, parece que o crime chegou a Macedo para ficar. Se não são notícias acerca de assaltos a residências, são-no por assaltos noutros concelhos por gente "com origem no concelho de Macedo de Cavaleiros" sic. Ora isto dá que pensar... Se lhe juntarmos que o concelho também é notícia, juntamente com outros, pelas burlas a idosos e pelas tentativas "abrasileiradas" de passagem de notas falsas... Que ao crime não suceda o mesmo que ao Inverno, pois parece que o mesmo veio para ficar... Confusões à parte, parece que um dos interesses da edilidade se centra numa cada vez maior valorização da área envolvente do Azibo. Parece-me uma aposta de louvar, conquanto não lhe esteja destinado o abandono como, aliás, vai parecendo norma ritual em tudo o que represente a valorização (ou tentativas...) na região da albufeira. A criação de um Eco-Parque Biológico, com uma considerável área de 28 mil hectares será obra de monta. A associação de um campo de golfe (um daqueles projectos eternamente adiados) e a criação de novas áreas de lazer deveria ser um chamariz ao sector privado. Talvez falte a dinâmica que já atingiu a Feira da Caça, atentando nos 20.000 visitantes do último certame... Finalmente, parece que vem mesmo o helicóptero há muito prometido. A novidade é que, talvez para desviar atenções, a Sra. Ministra da Saúde aponta, agora, baterias para a "desorganização hospitalar por parte dos administradores". São desorganizados? Substitua-os... Não vá um dia destes algum deles substituir o desamparado tendeiro que, inavertidamente, furou uma conduta de gás de abastecimento à cidade... Distracções, todos têm... Desorganização é que não é recomendável naqueles que administram a saúde de todos nós...

Sem comentários: