Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



terça-feira, 21 de junho de 2011

A ansiedade das pedras


As pedras, perscrute-se-lhes o âmago, insondáveis palpitações de vida o clamará a descrença, dotadas que estão da lucidez de um cúmplice afago. Encoste-se-lhes o ouvido no lado contrário do paradoxo, de mansinho, sem recurso a brusco despertar. Resgate-se o estetoscópio de sublime fantasia, invisibilidade no seu eterno mergulho nos recônditos da alma, activem-se sensibilidades auditivas pela genética contrariadas, apele-se à fugacidade de um efémero beliscar dos sentidos. E estarão lá, bem ao lado do oposto, esquivos, camuflados, numa arredondada esquina do nunca, cardíacos batimentos pétreos, ténues, imperceptíveis, indecifráveis formas de vida onde diz a lógica repousar o inerte. Afinidades que compêndios de Geologia decifrar não sabem... Sabem-no os estreitos e impalpáveis caracteres desenhados a pactos de sangue, xísticos, graníticos, quartzíticos, "íticos" outros mais, petrificados à nascença numa inverosímil geminação que naturais leis contrariam. É a essência do metafísico, do inentendível, linguajar do silêncio, como se da obliteração do som rompessem lexicais formas intraduzíveis, sem recurso a universal dicionário que lhes aclare o significado. Bastante é ser efectivo membro da Confraria das Pedras, intrínseca adesão ao choro primeiro, para carregar esta estranha simbiose que me dota da infame capacidade de escutar a mudez das pedras, falando para surdos seres. Há demências piores... Sirva-lhe a assumpção de atenuante ao juízo dos mortais. Não desminto orgulhosas insanidades: fito em desmesurada estupefacção a fisiologia das pedras, permissão dou a proibida paixão, acossado por estranhos e penetrantes olhares de volúpia, inenarrável desejo pelo que indesejável é, o dizem os manuais dos bons costumes e de não menos boas maneiras. É a perversidade de ser filho das pedras, estranha prole o sou, enraizado na imobilidade, vergado a um pétreo sagrado, altares muitos de monotonia pouca, na grandeza desenhada a formas tantas, altivas por vezes, rastejantes outras. É controverso tentar explicar o inexplicável, abala os sentidos apenas, talvez seja uma arquitectura com arcos de imperfeita volta, ou encavalitados pedaços de petrogénese vergados ao suor dos homens. Sei lá o que é! Ou sei, de privadas confissões de imperfeitos amores, secretas confidências que auscultam a ansiedade das pedras... E a suave angústia de lhes tocar os sentidos... Amanhã...

Sem comentários: