Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



domingo, 25 de julho de 2010

Renascimentos do espírito em Morais

Mais que um alívio à nostalgia, a revivescência de ancestrais tradições poderá ser um sinal de vitalidade de um povo. Por algumas aldeias transmontanas vai-se assistindo a regressões temporais, breves recuos a épocas em que a força braçal comandava o destino agrícola. Vão proliferando, aqui e ali, recriações do que marcava o calendário do campo, a partir de alturas do S. João. A aldeia de Morais tem representado a pedrada no charco no concelho macedense. O teatro vivo, de gente que segue um guião empírico, naturalmente descurando o decorar de deixas, mostrando a faceta de gente rude e simples, simpática e bela, que conquistou uma terra áspera e bravia, rasgando-lhe as entranhas a suor. Era assim a segada… A acarreja…. A malha… Tempos outros, em que o mar doirado era o chamariz para bandos de segadores, gente que descia para laminar o pão que a terra dava. Era a dureza, o tórrido escaldar, a poeira, a sede… Mas também a alegre algazarra dos cantos, o espírito comunitário do “torna-jeira”, as sopas da segada, de pão amolecido em água de bacalhau, lascas do dito, alho “rijado”… E a “cabaça” do precioso néctar que circulava de boca em boca, sem receios de transmissões de Influenza… Não havia H1N1, nem H5N1… Havia, apenas, sede, muita sede, de corpos desgastados pelas braçadas nesse doirado mar, gente que nadava munida de “seitouras” e “dedeiras” (“dedaleiras”, chamam-lhe, também), amputando as ondas do seu balançar, testemunho no restolho. E uma poeira cerealífera que se entranhava no corpo… Nada que evitasse, chegado o tempo, infantis viagens empoleirado em veículos de tracção animal, “estadulhos” por companhia, ao som de melancólico ranger, triste e profunda pretérita canção saída de artesanais rodados, numa aguda cadência de nunca inventados acordes. Isto não passa de uma “espalhadoura” do tempo, tempo que mudou, felizmente, que a evolução de conceitos e técnicas é humana marca. Mas há delícias intemporais, visões de um passado não muito distante, imagens de marca de um povo. De um povo que, no meio da agrestia, ainda sabe sorrir… NOTA: As imagens que acompanham este texto foram gentilmente cedidas pela Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros

1 comentário:

deep disse...

Imagino que já tenhas começado a "imbuligar-te por u mêo dos montes". Aproveita bem essas maravilhas "azibescas" (onde é que eu já li isto?) e insufla a alma de prazer.

Votos de óptimas férias. Um abraço. :)