Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Rabanadas, Filhós e Cousas


Quase já me tinha esquecido da minha existência... Hoje acordei de uma certa letargia que o mês de Novembro me oferece a cada ano que passa. Afinal, acabámos de entrar no verdadeiro mês em que parece que anda toda a gente feliz, cheia de dinheiro dos subsídios e em que já é aceitável assistir a toda a panóplia de enfeites televisivos associados à quadra natalícia. Posso parecer retrógrado, mas no tempo em que ainda não havia Pai Natal e era o Menino Jesus que nos deixava as prendas no sapatinho, as montras só apareciam decoradas uma semana antes do Natal. Agora, tenho que "gramar" com os "compre mais barato neste Natal" a partir de meados de Novembro! Não me espantará se, num futuro próximo, me entrar um "Oh, oh, oh" pela "barraca" de praia, em pleno mês de Julho ou Agosto... Irra!!!
O inverso vai acontecendo neste país: em vez de nos adiantarmos, regredimos. Ou são as hélices do helicóptero que enferrujam, adiando - ainda mais - promessas adiadas, ou é um campo de golfe que era para ser mas já não se sabe muito bem se algum dia será. Ou são os grandes que ficam cada vez maiores, deixando os pequenos cada vez mais à míngua. Basta olhar para o PIDDAC 2009. Ou os concelhos maiores - em riqueza - e, por tal, melhor apetrechados, são mais "guichos", ou somos uns "tadinhos" que não saímos da cepa torta. Macedo ficou fora do dito PIDDAC. Bragança e Mirandela não... Palavras para quê? O que é importante é sermos ecológicos e fazermos parte de uma tal de Ecocitras. Gostaria de ver os retornos desta rede de cidades ecológicas... Publicamente... Assim como quem não quer a coisa e assobia para o ar, será que os assaltos perpretados no decorrer da semana do caloiro assumirão assim tanta gravidade? O que são esse pequenos distúrbios de uma juventude irrequieta se comparados com os roubos devidamente (ou será que não?) fiscalizados pelo Banco de Portugal? Não acredito que vivo no país do BPN... Nem do BPP... Nem da Casa Pia... Ou do Apito Dourado... Ou sei lá mais de quê... O importante é que se condenou um jovem por fazer downloads ilegais da internet. Mas, afinal, o que é ilegal? Alguém me explica?

Sem comentários: