Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Culturando...

Um pequeno regresso ao "umbigo do mundo"... O futuro Parque Geo-biológico de Morais vai ter um Centro de Informação. Se a criação do mesmo, ao abrigo da Rede Natura, já é de aplaudir, ainda mais o é a iniciativa do reaproveitamento de uma das antigas casas florestais para o efeito. Todavia, a predisposição da minha má-língua não me permite limitar-me a aquecer as mãos com uns aplausos (dos sinceros...). Há uns anos, com a devida pompa e circunstância, foi inaugurado o Centro de Interpretação de Santa Combinha, associado à Paisagem Protegida da Albufeira do Azibo. Nos dias de hoje, ao que contam as congéneres más-línguas, o dito encontra-se apenas a emoldurar um magnífico (magnífico porque já por lá andei diversas vezes) miradouro e a abrir as suas portas quando o artesão, ao qual foi cedido o espaço, tem disponibilidade (ou disposição)para tal. Mas, como nem só de cousas más se vai fazendo a rotação do mundo, o mesmo destino não foi dado às infraestruturas que serviriam de Centro de Recuperação de Aves. Neste caso, transformou-se - e bem! - em "Centro de Recuperação" dos achados arqueológicos do concelho. A quem ainda não teve a oportunidade de visitar o Museu Arqueológico, deixo aqui o conselho para o fazer numa próxima oportunidade. Vale pelo passeio, pela simpatia de quem serve de guia e porque não toma muito tempo a volta ao dito museu. Como seria de esperar, o espólio é reduzido, mas está devidamente organizado e rotulado. Pulando, de novo, para Morais, certo, certo, é que a existir uma futura inauguração do Centro de Informação já não deverá ser feita pela mesma pessoa. Como algumas línguas afiadas disseram que deixou o país de tanga, passou a dedicar-se a causas mais humanitárias que aturar este país doente que até já a tanga perdeu...
Culturando noutro sentido... Outubro celebrou o Mês Internacional da Biblioteca Escolar. Ou ando desinformado ou, pertencendo a duas associações de pais, o mês passou-me ao lado... Ou, como ainda estamos no último dia do mês... Nunca se sabe... Perdoem-me os que assobiam para o ar de contentamento pelos retornos do investimento n'"A Outra", mas somos, cada vez mais, um país de letrados em novelas. Ainda que as mesmas representem autênticas obras-primas de carácter não-ficcional, ao género de "O Processo (não o de Kafka) Interminável da Casa Pia". A triste realidade é que, mesmo com "Novas Oportunidades", "Choques Tecnológicos" e "Magalhães" pelo meio, somos, cada vez mais um país de analfabetos. Porque, verdade, verdade, não é analfabeto que não sabe ler. É analfabeto todo aquele que sabendo, não o faz... E porque esta triste realidade se passa no país do Sócrates, lembrei-me de Platão: "o pouco que sei, devo-o à minha ignorância"...

Sem comentários: