Bem Vindo às Cousas

Puri, se tchigou às COUSAS, beio pur'um magosto ou um bilhó, pur'um azedo ou um butelo, ou pur um cibinho d'izco d'adobo. Se calha, tamém ai irbanços, tchítcharos, repolgas, um carólo e ua pinga. As COUSAS num le dão c'o colheroto nim c'ua cajata nim cu'as estanazes. Num alomba ua lostra nim um biqueiro nas gâmbias. Sêmos um tantinho 'stoubados, às bezes 'spritados, tchotchos e lapouços. S'aqui bem num fica sim us arraiolos ou u meringalho. Nim apanha almorródias nim galiqueira. « - Andadi, Amigo! Trai ua nabalha, assenta-te nu motcho e incerta ó pão. Falemus e bubemus um copo até canearmos e nus pintcharmus pró lado! Nas COUSAS num se fica cum larota, nim sede nim couractcho d'ideias» SEJA BEM-VINDO AO MUNDO DAS COUSAS. COUSAS MACEDENSES E TRANSMONTANAS, RECORDAÇÕES, UM PEDAÇO DE UM REINO MARAVILHOSO E UMA AMÁLGAMA DE IDEIAS. CONTAMOS COM AS SUAS : cousasdemacedo@gmail.com



quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Tesouros de Arte Sacra, a alheira de Mirandela e o vinho do Porto...

... o poder do marketing ou a sua ausência... Um dia, numa dessas passagens em relação às quais apenas nos recordamos da sua ocorrência, sem precisar datas, horas ou locais, apenas sabemos que aconteceram, algures, talvez no séc. XX ou, quem sabe, provavelmente já no XXI... Um dia, como dizia, visitei uma Feira do Fumeiro, não o impingido com selos de qualidade industrial, mas o nascido do artesanal, proveniente do acumular de empirismo de sábias mãos. Para estarrecimento da minha ignorância, no sector dedicado às alheiras, honra mirandesa às tabafeias, os espécimes que se alcandoravam ao patamar do nem sempre apelativo "mais caros" não tinham a sua origem em Mirandela! Denotando atroz desconhecimento, percorri o chamariz dos sentidos, enquanto me interrogava sobre o aparente paradoxo: as alheiras mais caras eram provenientes de Macedo de Cavaleiros! Seguiam-se-lhes no pódio as de Bragança, sendo acometido de amnésia no que respeita às detentoras do bronze. Mas não eram, seguramente, as de Mirandela... Porque essas, recordo-me, não sendo as mais baratas, ocupavam um lugar nas cercanias da cauda do pelotão. Mas então, acessos de vulgarização, as melhores alheiras, as afamadas, as supremas, não eram as de Mirandela? Ou sê-lo-iam em processo análogo ao do melhor vinho do mundo - subjectiva opinião corroborada por muitos - conhecido como do Porto mas parido na agrestia xística da meridional paisagem trasmontano-duriense? Curiosidade espicaçada, voltem-se os olhos para buscas outras, livrescas e afins, salde-se a dívida da ignorância e, judaicas metáforas de confirmação pendentes, que os foragidos da Inquisição refugiados ficaram em nordestinas terras - mais para a raia, meus caros, mais para a raia - e, a terem adulterado linguiças e salpicões, provável é que as tripas tenham tido primordial enchimento de pão e aves lá para os lados do Mirandum e não para os que ficam na quase homónima atalaia pequena. Mas não só, mas não só... Século XIX quase a finar, inauguração tinha o que agora submerso vai ser: o troço de linha férrea entre Foz-Tua e Mirandela. Dizem os anais que as alheiras ganharam inusitada fama pelo Reino (ter-se-ão empanturrado D. Luis e comparsas de tão nobre petisco na inauguração do que finado agora está?)... Dizem os mesmos que, no decurso dos anos em que Mirandela era detentora da estação de caminho-de-ferro mais setentrional da província, aí afluiam os produtores da tão sublime alheira para que a mesma chegasse aos exigentes paladares das extremidades litorais do reino. Não tardou muito a associação do topónimo aos exemplares de fumeiro... Louve-se o empenho dos da Princesa do Tua, aplauda-se o marketing associado à elevação da alheira a maravilha gastronómica. E aplauda-se, em simultâneo, o salpicão de Vinhais, o folar de Valpaços, as amêndoas de Moncorvo, o cordeiro de Bragança, a castanha da Padrela, o azeite de Murça, a posta Mirandesa, as cerejas de Afândega, o vinho de Carrazeda, a batata de Chaves... Há, até, "alóctones" Confrarias do Butelo e das Casulas merecedoras de aplausos!!! "Chlap-chlap" ao "tudo que é doutro lado", DOP, IGP, IPP (e, porque não, PQP) e Macedo tendo, efectivamente não tem... Mas, já agora, à laia dos que pouco têm por onde escolher, eleve-se a ícone gastronómico macedense o Lúcio de Escabeche, sem indicação de PPAA, que a dita Paisagem Protegida, condicionalismos geoestratégicos, vai sendo conotada - marketing dixit - com a sede distrital (diga-se, em abono da verdade, que os glóbulos macedenses se "gumitum" ao invés de darem voz a náuseas)... Quedos e mudos não ficando, deveríamos, em contingentismo, aproveitar as lacunas de preenchimento gastronómico-geográfico e elevar, em conjunto com o supracitado Lúcio de Escabeche, a "tchouriça-doce" a património da Humanidade Macedense, criando em concomitância, a "Confraria dos Tchítcharos e dos Erbanços" com a homónima do "Tchouriço da Língua e da Butcheira". Mais não fosse, dignificar-se-iam os proscritos da gastronomia "strasmuntana"... E seriam proclamados os omissos tesouros... Por menção a tesouros fazer, infâmia da alma, lembrei-me do jornal Público (afianço aos que fazem da má-língua modo de vida que não auferi um cêntimo que seja pela gratuita publicidade). O acossar da mente pelo dito periódico surgiu apenas como reflexo do muito que temos e do pouco que fazemos por esse muito que temos (será isto um pleonasmo?). Diz a publicidade que encabeça esta "sfoura scrita" que haverá 100 Tesouros da Arte Sacra Nacional. "Atão, s'há 7 Marabilhas d'Intcher o Bandulho, pur u que caralhitchas - No'Snhor me perdô - num habia d'haber 100 d'Intcher a Alma"? Neste delapidar do orgulho que grassando vai ao abrigo sabe-se lá de que vilipêndios, o tesouro que teve honras de abertura da centúria só poderá ser uma "cousa" insignificante. Será que os responsáveis do Público e do SNBCI (Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja) ensandeceram de vez? Lá é forma de inaugurar o desfile jornalístico dos ditos 100 Tesouros com uma peça proveniente do concelho macedense??? Diz a separata do Público a 22-08-2011: «O P2 inicia hoje uma série dedicada aos Tesouros da Arte Sacra Nacional»... Legenda acompanhada de uma figura familiar: a de São Miguel Arcanjo, ímpar representação do séc. XIV proveniente da Igreja de São Martinho de Vilar do Monte! Como se a heresia bastante não fosse, a 13-09-2011 é repetida a graça de proveniência no concelho macedense: é publicada uma imagem de Santo António dos Pães, do séc. XVIII, originária de Travanca! Heresia por heresia, "spitarum-se-me" os meus hereges genes macedense-trasmontanos... Não porque tenha visto algum "bitcho do outro mundo", mas tão somente porque, estranheza para alguns, das 18 digníssimas entidades que participação têm neste desfilar de distinção, uma delas é a Diocese de Bragança-Miranda, representada através do labor do inventário histórico-artístico conduzido por uma entidade demonstrativa do que melhor se faz por Macedo de Cavaleiros: a Associação Terras Quentes. Quer dizer... Apresento as minhas mais sinceras, honestas e demais "eras" e "estas" desculpas aos contestatários da distinção do parido por terras elevadas a concelho há pouco mais de 15 décadas. Tive um breve, mas intenso, colapso da alma (se é que possuidor sou da dita)... Penitencio-me pela tentativa de elevação da terra detentora dos calhaus onde fui orgulhosamente parido. Se "de Espanha nem bom vento nem bom casamento" (ainda que nutra uma certa inveja por "nuestros hermanos"), parodie-se em alternativo léxico e parece que "de Macedo nem boa brisa nem boa boda, parece tudo uma f... coisa e tal que rima com roda"... "E que fai uns indêzes de bez'im quando que se botum mim contchos e tchêos de prôa só pur u causa de terim nacido nua bila que num é milhor q'as outras mas, carbalhos que m'a racontracosum, bem m'ou finto que seija pior do q'elas"!...

1 comentário:

Virgínia do Carmo disse...

Pois é, Rui. Disseste bem.
As pessoas e esta mania de rotularem, restringirem, extrapolarem e deturparem ao sabor do marketing é uma sina que afecta todas as áreas da sociedade.

Beijinhos